Últimas Notícias

Torcedores do Coritiba agridem manifestantes pró-Lula em Curitiba, diz PT

Brasil de Fato
Participantes do acampamento Lula Livre em Curitiba foram brutalmente agredidos na noite desta terça-feira (17). Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra foram atacados em um trecho da Avenida Paraná, no caminho entre a Polícia Federal e entre o terreno onde estão montadas as barracas do acampamento.
Presidente estadual do PT no Paraná, Doutor Rosinha conta que as vítimas voltavam das atividades que estavam sendo realizadas a uma quadra da PF, quando foram surpreendidas por um grupo de pessoas, aproximadamente às 19h30. Os integrantes do MST foram agredidos com barras de ferro e pedaços de madeira. Foram atendidos por uma ambulância contratada pelo evento, que estava no local.
Não foi possível identificar a quantidade de agressores, que se identificaram como torcedores do Coritiba Foot Ball Club, da Império Alviverde. O time disputa uma partida contra o Atlético Goianiense nesta terça-feira à noite.
O comando da Polícia Militar e a Secretaria de Segurança Pública já foram acionados. Apenas às 22h duas equipes da Rotam, unidade especial da polícia militar, chegaram ao local para garantia da segurança.
O presidente estadual do PT conta que no acordo realizado nesta segunda-feira entre os organizadores do acampamento e órgãos estaduais e municipais, além da transferência do local do acampamento, estava previsto a segurança dos acampados.
Uma viatura deveria estar à disposição dos participantes da mobilização, mas nenhum efetivo policial ficou na área durante toda a terça-feira.”Nós cumprimos o acordo com o governo do estado, mas o governo não está cumprindo o acordo conosco, que é de garantir a segurança no local”, destaca.
Por causa do acordo, a estrutura de barracas para pernoite e de cozinhas comunitárias saiu da quadra próxima à polícia federal, e foi deslocada para um terreno na esquina da rua Joaquim Nabuco com a rua São João. As atividades culturais e atos políticos permaneceram sendo realizados a cem metros da PF, na rua Guilherme Matter com a rua José Antonio Leprevost.
Em nota, a organização do acampamento Lula Livre destacou que “exige dos órgãos de segurança pública uma resposta ao não cumprimento do acordo estabelecido em reunião”, e “pede que as medidas cabíveis sejam tomadas e que a segurança seja efetiva nos locais onde permanecem os acampados”.
O clima de insegurança permanece no lugar. Segundo o presidente do PT, pessoas que passam pelo acampamento ameaçam e xingam os manifestantes que estão no local. O receio dos acampados é que novas agressões aconteçam após o fim do jogo. “Se o time perder eles vão voltar com mais raiva”, teme Dr. Rosinha.